22 de Agosto de 2013

O público encheu a "Praça da Liberdade" e deu mais uma prova da força da afición.

 

Mais uma vez os vianenses mostraram que a afición está bem viva na suposta “anti-taurina” princesa do Lima e que a liberdade é um valor inquestionável, por muito fortes que sejam as pressões e as ameaças.

De louvar o trabalho da Prótoiro e da associação “Vianenses Pela Liberdade” que organizaram novamente a corrida da liberdade cujo valor simbólico é tão grande quanto a afición minhota. A festa está bem viva e, apesar das dificuldades económicas, do difícil acesso à praça e das ameaças, o público acorreu e encheu a praça.

Lidaram-se seis novilhos de diferentes ganadarias, apresentaram-se cinco cavaleiros e o jovem matador de toiros António João Ferreira. Os forcados de Coimbra pegaram em solitário os cinco novilhos destinados às lides equestres.

Abriu praça o matador António João Ferreira que, perante um novilho de Jorge Carvalho, entusiasmou o público pouco habituado a ver toureio apeado. Seguro com o capote, valente com as bandarilhas sentiu algumas dificuldades com a muleta, sobretudo pelo piton esquerdo, suplantadas com valentia e que se deveram à vontade de triunfar e prolongar a lide, mais do que o oponente o permitia.

O novilho de João Ramalho não facilitou a vida a Rui Salvador, mas proporcionou bons momentos de toureio. Andarilho, arrancava-se prontamente e não se fixava, mas Rui Salvador deu-lhe a lide adequada e o público pediu mais um ferro a que o cavaleiro de Tomar felizmente acedeu, pois foi o melhor de toda a lide.

Salgueiro tinha vontade de triunfar, entrou com ganas, mas o bem rematado novilho de Vinhas, cedo perdeu a alegria com que saiu e refugiou-se nas tábuas obrigando João Salgueiro a pisar-lhe os terrenos e cravar a sesgo.

Sónia Matias faz sucesso mal entra em praça e, apesar de não ter tido uma tarde feliz, o público aplaudiu e acarinhou a cavaleira.

Ana Baptista não teve uma lide fácil perante o novilho de Cannas Vigouroux que cedo procurou as tábuas. Só com o auxílio dos bandarilheiros conseguiu tirar o novilho da querença e cravar a ferragem da ordem e caiu na tentação de prolongar demasiado a lide, muito para além da disponibilidade do oponente.

Marcos Bastinhas encerrou a corrida da liberdade frente ao novilho “Prudêncio” e foi o seu grande triunfador. Cravou um enorme ferro curto (o seu segundo), citando com alegria, avançando a passo, esperando pela investida do touro e cravando com correcção. Não repetiu a fórmula mas terminou com um grande par de bandarilhas, cravado em terrenos muito apertados. Soube calcular o seu tempo certo, não cedeu ao público quando este pediu mais ferros e encerrou em grande plano assegurando o triunfo.

Muito bem os forcados de Coimbra que pegaram os cinco novilhos à primeira tentativa.

No próximo ano, “Havemos de ir a Viana” ver toiros e perpetuar a tradição.

também publicado em taurodromo.com

publicado por Santos Vaz às 11:21

mais sobre mim
pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Agosto 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

12
13
14
15
16

18
19
20
21
23
24

25
26
27
28
29
30
31


arquivos
2017:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2016:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2015:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2014:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2013:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2012:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2011:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2010:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2009:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


Contador

Contador de visitas Saúde
blogs SAPO